Todos os dias nos primeiros 15 minutos, todas as turmas da escola tem um momento para leitura, onde recebem material diversificado da biblioteca, tendo oportunidade para aprimorar sua linguagem, atualizar-se, descobrir novas informações construindo assim novas redes de conhecimento e informação.

terça-feira, 26 de abril de 2016

XADREZ DA ESCOLA NO PORTAL DO PROFESSOR

Práticas de Xadrez na escola em evidência no Portal do Professor

Tivemos a honra de compartilhar juntamente com a EMEF Princesa Isabel, um pouco da vivência que acontece na escola em relação à prática do Xadrez. No site do MEC, especificamente no Portal do Professor, espaço este destinado aos professores de todo Brasil compartilharem suas experiências pedagógicas, encontra-se a matéria que fala sobre como a modalidade é enfatizada no município e em especial na nossa escola. Vale a pena conferir como o Xadrez influência na aprendizagem e no desenvolvimento de habilidades específicas em crianças e adultos também.

Segue a matéria do Portal do Professor:

Jogo é valorizado e incentivado em cidade do interior gaúcho

A participação em campeonatos de xadrez estimulou o gosto pelo xadrez entre os alunos
A participação em campeonatos de xadrez estimulou o gosto pelo xadrez entre os alunos
Autor: Arquivo da escola
  • Marcia procura despertar nos alunos o prazer no aprendizado do xadrez
  • Para o professor Eder, o xadrez contribui para que as crianças sintam-se inclusas e valorizadas
No município gaúcho de Campo Bom, no Vale do Rio dos Sinos, região metropolitana de Porto Alegre, o jogo de xadrez é uma atividade valorizada e incentivada nas escolas, com a participação de estudantes em torneios e campeonatos. “Meu envolvimento com o xadrez iniciou-se por volta de 1994, quando exercia a função de coordenadora da educação física, esporte e lazer na Secretaria Municipal de Educação e Cultura”, diz a professora Márcia Korndoerfer Tornin, da Escola Municipal Rui Barbosa.
Márcia explica que promoveu, na época, um curso de capacitação em xadrez para professores da rede municipal, em parceria com a Escola Técnica Liberato Salzano Vieira da Cunha, de Novo Hamburgo. “O trabalho, então, começou a frutificar nas escolas e surgiu a ideia de organizarmos o 1º Torneio Aberto de Xadrez em Campo Bom, que já está na 21ª edição.”
A instalação do Clube de Xadrez na Biblioteca Pública Municipal foi outra medida adotada por Márcia. “Aberto à comunidade, funcionava aos sábados de manhã, com monitoria do jovem aluno Marcelo Konrath, atualmente professor e árbitro internacional de xadrez e editor do portal Xadrez Gaúcho”, diz a professora.
A partir de 2009, já na Escola Rui Barbosa, Márcia continuou a incentivar a prática do xadrez durante as aulas de educação física, com turmas do sexto ao nono ano do ensino fundamental. Os resultados obtidos com a iniciação ao jogo nessa faixa etária a levaram a propor, em 2013, um projeto direcionado a alunos do terceiro ao quinto ano. “O xadrez, agora, é trabalhado semanalmente em sala de aula a partir do terceiro ano”, esclarece. Além disso, às quintas-feiras, os alunos que se destacam em sala de aula participam do encontro de xadrez, no turno vespertino, destinado ao aprimoramento das estratégias e integração à equipe de competição da escola, composta por 24 alunos.
Durante as aulas, Márcia procura despertar nos alunos o prazer no aprendizado do xadrez e o gosto pelo desafio. Isso, segundo ela, os leva a desenvolver competências como agilidade de raciocínio, capacidade de visualização espacial, elaboração de estratégias próprias, aumento do tempo de concentração e desenvolvimento da memória. Há 32 anos no magistério, ela tem graduação em educação física e pós- graduação em metodologia do ensino da educação física.
Estímulo — “O xadrez é um esporte divertido, que estimula o raciocínio lógico, a concentração e a memória”, diz a professora Lizandra Patrícia Gottlieb, diretora da escola Rui Barbosa. “Também estimula a imaginação, desenvolve a capacidade de planejamento na criação de estratégias e exige paciência e respeito ao colega.”
De acordo com Lizandra, após certa resistência inicial ao xadrez, principalmente por parte de alguns professores, que o consideravam difícil e complicado para alunos pequenos, a professora Márcia conseguiu desenvolver o gosto pelo jogo na escola, graças ao trabalho lúdico que desenvolveu desde os primeiros anos. “O trabalho foi gradativo, atingindo também o público adolescente da escola”, ressalta. Outra iniciativa foi a participação dos estudantes em campeonatos de xadrez, dentro e fora da cidade.
Para o professor Eder de Oliveira, da Escola Municipal Princesa Isabel, ao aprender a jogar xadrez, as crianças tendem a aumentar a concentração, a paciência e a perseverança e se tornam mais flexíveis ao resolver problemas e tomar decisões.
Professor de educação física em turmas da educação infantil ao quinto ano do ensino fundamental, Eder conta que seu envolvimento com o jogo teve início em 2006. “No início, usava o xadrez como alternativa, pois no inverno, de manhã, era muito frio e úmido, e não havia ginásio na Escola Princesa Isabel”, afirma. “Então, jogávamos xadrez na primeira hora; depois, íamos para o pátio fazer outras atividades.”
À medida que se aprofundava no estudo do ensino de xadrez, o professor percebia que poderia aproveitar o jogo como ferramenta pedagógica. Agora, o xadrez faz parte das aulas de educação física, uma hora por semana. No contraturno, uma hora e 30 minutos, duas vezes por semana. “O xadrez faz e pode fazer ainda mais diferença para nossas crianças no que se refere à elevação da autoestima e confiança”, diz Eder. “Elas passam a se sentir incluídas e valorizadas socialmente, o que contribui para sua formação.”
De acordo com o professor, a literatura científica especializada destaca que a prática do jogo de xadrez contribui, efetivamente, para o desenvolvimento do raciocínio lógico, da capacidade de análise, síntese e de resolução de problemas, da abstração e objetividade, do autocontrole e autoestima. “Alunos que por vezes são menosprezados ou preteridos pelos colegas por não terem as mesmas habilidades físicas e motoras podem encontrar no xadrez um meio para interagir com os colegas e se sentir incluídos no grupo”, destaca.
Atitude — Eder salienta a mudança ocorrida nas atitudes dos alunos. “A cada vitória em torneios, eles se sentiam mais confiantes, conduziam a resolução dos seus conflitos com mais paciência e respeito mútuo, e isso, para nossa escola, foi uma grande mudança”, enfatiza o professor, pós-graduado em educação física escolar.
O xadrez é uma das atividades incluídas no Programa Acolher – Desafios para Além da Jornada Escolar, desenvolvido em Campo Bom desde 2009. O programa atinge em torno de duas mil crianças e adolescentes em todos os bairros do município. Têm prioridade no atendimento aquelas em situação de risco e vulnerabilidade social. “O envolvimento dos alunos com diversas atividades colabora para a prevenção do uso de drogas no meio escolar”, defende Graciela Rosa Soares, coordenadora do esporte escolar da Secretaria de Educação do município. (Fátima Schenini)

Nenhum comentário:

Postar um comentário